Páginas

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

A culpa não é das estrelas

Oi pessoal, hoje eu vim falar sobre o filme A culpa é das estrelas, assisti ele de novo a pouco tempo e Deus falou grandiosamente comigo, espero que através desse texto Ele fale ao coração de vocês também.

Não da pra assistir esse filme sem chorar né gente, vocês conseguem? Pode ser clichê mas é verdade. O filme conta a história da Hazel Grace, uma garota de 16 anos vítima de um câncer de tireoide com metástase nos pulmões.
No inicio do filme, ela está com indícios de depressão por causa da doença, é quando seus pais a obrigam a frequentar um grupo de apoio o “Coração literal de Jesus”. Patrick é o líder do grupo e ele já foi curado de um câncer, em poucos minutos de filme, Patrick diz a seguinte frase “Estamos aqui reunidos no coração literal de Jesus, estamos aqui com o JC” isso porque tem uma imagem de “Jesus” num tapete no chão, e na imagem também aparece o coração da pessoa que representa Jesus (por isso esse nome), depois de dizer isso ele lança um olhar que pra mim é muito sarcástico.

Hazel conta a história da cura de Patrick e justifica o motivo de ele ter criado o grupo de apoio com a frase “pra nos mostrar que um dia se tivermos sorte poderemos ser iguaizinhos a ele” ela conta a história dele de uma forma ruim, e essa frase é dita de uma maneira irônica, como se a cura dele tivesse tornado a vida dele ruim e que fosse preferível morrer a ficar “igualzinho a ele”. Nessa frase ela também se refere a cura como uma questão de sorte, fato que mostra que mesmo participando de um grupo de apoio cristão, ela não conhecia a Jesus nem seu poder para curar.

Então Patrick canta uma música que reafirma ser um grupo de apoio cristão, a música diz “Cristo é nosso amigo e ta com a gente até o fim” e repete a palavra Cristo 3/4 vezes em um tom muito triste, isso me fez pensar que o “Coração Literal de Jesus” era uma forma sarcástica de dizer que Jesus não pode fazer nada por eles, por causa da maneira como eles falam, além disso, dizem às pessoas que estão esperando a morte que Cristo está com elas até o fim, mas não falam que Ele tem a cura...

Mas enfim, suponhamos que seja um grupo de apoio sério e cristão. Será que lá não tinha ninguém pra fazer uma oração de cura por eles? Será que naquela igreja não tinha pessoas para interceder pela vida deles? É claro que essa história é só um filme, não é real, mas casos assim acontecem o tempo todo e cabe a nós, cristãos, fazermos alguma coisa.

No decorrer do filme, Hazel conhece Augustus Waters, que aparentemente estava curado de um câncer. Eles vão se conhecendo e o Gus mostra pra ela um livro, O preço do alvorecer, ele diz que é um livro que ele gosta muito e que gostaria que ela lesse e ela ri, pois é um livro sobre vídeo game, mas aí ele fala “Não ri não tá?! Ele é incrível (...) Ele fala de honra, sacrifício, coragem e heroísmo, fala sobre abraçar o seu destino e deixar a sua marca no mundo...” até parece que ele fala num tom irônico, mas esse trecho me chamou a atenção pelo fato de se aplicar a nossa vida cristã, não acham? Será que a gente tem abraçado o nosso “destino”,o nosso chamado... Será que estamos deixando a nossa marca no mundo como verdadeiros filhos de Deus? Será que estamos sendo o sal da terra, a luz do mundo, cumprindo o ide e fazendo a vontade de Deus?

Em 1h de filme, quando Hazel e Gus estão conversando num restaurante, fica claro que eles não conhecem Jesus e nem acreditam no céu. Gus até afirma acreditar em alguma coisa, mas essa “coisa” não é Jesus.
Como cristãos, é nossa obrigação anunciar as boas novas, é nossa obrigação cumprir o “ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura” Mc 16:15,

A última coisa que chamou minha atenção nesse filme foi o elogio fúnebre que Hazel faz para o namorado, ela diz “... Alguns infinitos são maiores do que outros (...) Pois é, eu queria mais números do que provavelmente vou ter, eu queria mais números pro Augustus W. do que ele teve...”. É claro que todo tempo do mundo é pouco pra ficar com quem a gente ama, mas esse “pequeno infinito” deles aqui na terra poderia sim ter sido maior.
Enfim, eles morrem e todo mundo chora no final, mas você já parou pra pensar que se eles tivessem conhecido Jesus eles poderiam ter sido curados? Ou seja, se algum cristão tivesse pregado o evangelho a eles e lhes falado que nada é impossível pra Deus e que Jesus tem acura, eles poderiam ter sido curados e vivido uma vida longa e feliz juntos, e junto com Jesus.

A culpa não é das estrelas, a culpa é minha e sua, de quem conhece a Palavra e não faz nada, porque pra nós a nossa própria salvação já basta e o resto a gente nem quer saber não é mesmo?
Eu sei que essa história é só um filme, porém, o mais triste é saber que assim como Hazel e Gus nesse filme, muitas pessoas morrem sem conhecer Jesus, morrem sem a salvação e são condenados a um terrível fim, o inferno.

Jesus, ele quer nos dar a cura, tanto em uma enfermidade, fisicamente quanto espiritualmente, ele tem prazer em nos curar e só ele tem o poder pra curar. Mas ele é tão educado que ele não o faz sem que a gente queira também, se é que me entendem.

Para finalizar eu quero indicar pra vocês um texto que está no livro de João capítulo 9 a partir do primeiro versículo. Um grande beijo e fiquem com Deus!

10 comentários:

  1. quando vi o filme nem percebi essas coisas que vc falou sobre ele.

    >>> http://gilustre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é esses detalhes passam despercebidos aos nossos olhos, na primeira vez que vi também não tinha percebido nada...

      Excluir
  2. Nossa, que texto tocante! Eu nunca parei, realmente, para pensar nesse ângulo, sabe? Eu já pensei sobre o poder da cura, mas nunca me toquei em como as palavras dos personagens são ditas, a forma como são ditas.
    Infelizmente muitas pessoas estão nesse barco... Não conhecem a Jesus, não sabem do poder da cura, não sabem o quanto amar a Deus é massa. E pior: existem aqueles que vão e pregam o evangelho, mas de maneira errada. Não é colocando medo, não é pressionando, mas sim falando do amor de Deus e dando testemunho com nossas vidas que podemos alcançar alguém, que essa pessoa possa - por escolha dela e pelo ES convencer - abrir as portas do coração e deixar Ele habitar.
    Ótima reflexão! Indo compartilhar na minha página no facebook ;)
    Beijos

    http://www.thoughtsandadventures.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente, que bom que gostou ♥ e obrigada por compartilhar, beijos!!

      Excluir
  3. Muito bom, assisti o filme e vi coisas contraditórias a palavra de Deus, você deixou claro de que nós como cristãos devemos nos policiar e acreditar que Cristo veio para nos salvar. Precisamos da nossa salvação física e espiritual, afinal, a morte de Cristo não foi em vão. Como verdadeiros Cristãos precisamos mostrar Cristo as pessoas que ainda não conhece e para de ficar acomodado em casa, sentados no sofá e assitindo TV (sem generalizar), precisamos pregar e cumprir o que a Palavra de Deus nos pede.

    www.ocristaocriativo.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Plínio a acomodação é um problema grave entre os cristãos, temos que sair da nossa zona de conforto e nos preocupar não só com a nossa salvação mas com a do nosso próximo também, é claro que a salvação é individual, mas é nosso dever fazer o que pudermos para que eles a encontrem em Jesus.

      Excluir
  4. Muito bom, assisti o filme e vi coisas contraditórias a palavra de Deus, você deixou claro de que nós como cristãos devemos nos policiar e acreditar que Cristo veio para nos salvar. Precisamos da nossa salvação física e espiritual, afinal, a morte de Cristo não foi em vão. Como verdadeiros Cristãos precisamos mostrar Cristo as pessoas que ainda não conhece e para de ficar acomodado em casa, sentados no sofá e assitindo TV (sem generalizar), precisamos pregar e cumprir o que a Palavra de Deus nos pede.

    www.ocristaocriativo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Excelente reflexão!
    Na primeira vez que assisti o filme também achei sarcástico o modo em que Patrick trata de Jesus Cristo, mas acabei relevando...
    Seu texto me fez abrir os olhos, porque não podemos ignorar o que se passa ao nosso redor principalmente se podemos melhorar essa situação.
    Talvez Hazel e Gus fossem curados se conhecessem a Deus, talvez não fossem mesmo conhecendo, mas a certeza que nos vale ter é a da vida eterna. E não há nada mais prazeroso do que conhecer e viver o amor de Deus, seja em um "infinito menor" ou não.

    Amei seu blog, cheguei aqui por indicação da Ruhh e já percebo que vou voltar!! Hahaha

    Beijos, princesa! Deus te abençoe e continue te inspirando a escrever textos tão reflexivos e tocantes assim.

    S de Sarah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada Sarah! Concordo plenamente ♥
      Será sempre bem vinda aqui no nosso cantinho, que Deus te abençoe muito também, beejios!!

      Excluir
  6. Lo, concordo super! Mas este é bem daqueles filmes que te fazem chorar. Se eles encontrassem Jesus teriam o final mais feliz do mundo, mesmo que a cura não viesse, na morte eles encontrariam a vida!

    um beijão!
    Vinicius Castro

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...